Parábola da rosa


Warning: Attempt to read property "post_excerpt" on null in /home/u371434979/domains/ejesus.com.br/public_html/wp-content/themes/mh-magazine/includes/mh-custom-functions.php on line 281

Warning: Trying to access array offset on value of type bool in /home/u371434979/domains/ejesus.com.br/public_html/wp-content/themes/mh-magazine/includes/mh-custom-functions.php on line 283

Warning: Attempt to read property "post_title" on null in /home/u371434979/domains/ejesus.com.br/public_html/wp-content/themes/mh-magazine/includes/mh-custom-functions.php on line 283

Autor: Autor Desconhecido
Um certo homem plantou uma rosa e passou e regá-la constantemente e antes que ela desabrochasse, ele a examinou. Ele viu o botão que em breve desabrocharia, mas notou espinhos sobre o talo e pensou: “Como pode uma bela flor vir de uma planta rodeada de espinhos tão afiados? ” Entristecido por esse pensamento, ele se recusou a regar a rosa e, antes que estivesse pronta para desabrochar, ela morreu. É assim com muitas pessoas. Dentro de cada alma há uma rosa: as qualidades dadas por Deus e plantadas em nós crescendo em meio aos espinhos de nossas faltas. 
Muitos de nós olhamos para nós mesmos e vemos apenas os espinhos, os defeitos.Nos desesperamos, achando que nada de bom pode vir de nós, e, conseqüentemente, isso morre. Nós nunca percebemos nosso potencial. Algumas pessoas não vêem a rosa dentro delas mesmas; Alguém mais deve mostrá-la a elas. Um dos maiores dons que uma pessoa pode possuir ou compartilhar é ser capaz de passar pelos espinhos e encontrar a rosa dentro de outras pessoas. Esta é a característica do amor, olhar uma pessoa e conhecer suas verdadeiras faltas.Aceitar aquela pessoa em sua vida, enquanto reconhece a beleza em sua alma e ajudá-la a perceber que ela pode superar suas aparentes imperfeições. Se nós mostramos a essas pessoas a rosa, elas superarão seus espinhos. Só assim elas poderão desabrochar muitas e muitas vezes.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*