Um homem que não deveria ter nascido!

Autor: Arival Dias Casimiro

A figura de Judas Iscariotes virou assunto da imprensa, nesses últimos dias. Foi descoberto a cópia de um manuscrito do século II, intitulado o Evangelho de Judas. Segundo esse evangelho, Judas foi um amigo de Jesus que o ajudou em sua tarefa mais difícil: morrer na cruz. Jesus pediu a Judas para vendê-lo e traí-lo. O ato de Judas, portanto, não foi uma traição, mas o favor a um amigo.

As narrativas de Mateus, Marcos, Lucas e João não concordam com esta versão do Evangelho de Judas. No Novo Testamento, o nome Judas significa “louvor” e há pelo menos seis diferentes pessoas com esse nome. Em todas as listas de nomes dos doze discípulos, Simão Pedro sempre aparece em primeiro lugar e Judas Iscariotes em último, sempre acompanhado da expressão que foi quem o traiu. O nome Iscariotes, vem de “homem de Queriote”, cidade de Judá (Js 15.25).

Jesus utiliza uma expressão muito forte acerca da pessoa de Judas: Pois o Filho do Homem vai, como está escrito a seu respeito; mas ai daquele por intermédio de quem o Filho do Homem está sendo traído! Melhor lhe fora não haver nascido! (Mc 14.21).

Judas foi um apóstolo

Judas foi um discípulo, um dos doze apóstolos escolhido por Cristo: Depois, subiu ao monte e chamou os que ele mesmo quis, e vieram para junto dele. Então, designou doze para estarem com ele e para os enviar a pregar e a exercer a autoridade de expelir demônios. Eis os doze que designou: Simão, a quem acrescentou o nome de Pedro; Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão, aos quais deu o nome de Boanerges, que quer dizer: filhos do trovão; André, Filipe, Bartolomeu, Mateus, Tomé, Tiago, filho de Alfeu, Tadeu, Simão, o Zelote, e Judas Iscariotes, que foi quem o traiu. (Mc 3.13-19)

Observe que Judas foi escolhido pelo próprio Cristo, após uma longa noite de oração, para ser um companheiro de ministério. Judas recebeu autoridade espiritual para pregar, expelir demônios e para curar enfermidades. Tendo chamado os seus doze discípulos, deu-lhes Jesus autoridade sobre espíritos imundos para os expelir e para curar toda sorte de doenças e enfermidades. Ora, os nomes dos doze apóstolos são estes: primeiro, Simão, por sobrenome Pedro… e Judas Iscariotes, que foi quem o traiu. (Mt 10.1-4).

Judas nunca foi crente

Judas era um apóstolo, porém, nunca foi um verdadeiro crente. Apesar de ter sido batizado por João Batista (At 1.21-22) e ordenado ao apostolado por Jesus (Lc 6.12-16). Ele presenciou vários milagres de Jesus e ouviu os Seus ensinos, contudo, nunca converteu-se . Ele era joio no meio do trigo. Observe algumas declarações de Jesus:

• Jesus afirma que Judas nunca creu nEle. Contudo, há descrentes entre vós. Pois Jesus sabia, desde o princípio, quais eram os que não criam e quem o havia de trair. Replicou-lhes Jesus: Não vos escolhi eu em número de doze? Contudo, um de vós é diabo. Referia-se ele a Judas, filho de Simão Iscariotes; porque era quem estava para traí-lo, sendo um dos doze. (Jo 6.64, 70-71).

• Jesus declara que Judas nunca foi purificado: Declarou-lhe Jesus: Quem já se banhou não necessita de lavar senão os pés; quanto ao mais, está todo limpo. Ora, vós estais limpos, mas não todos. Pois ele sabia quem era o traidor. Foi por isso que disse: Nem todos estais limpos. (Jo 13.10-11).

• Jesus disse que Judas era um ladrão: Isto disse ele, não porque tivesse cuidado dos pobres; mas porque era ladrão e, tendo a bolsa, tirava o que nela se lançava. (Jo 12.6). Judas era o tesoureiro da comunidade apostólica. Ele roubava o dinheiro da bolsa provavelmente para investir nos seus interesses políticos. Os discípulos não desconfiavam de Judas, porém Jesus o conhecia muito bem (Jo 13.28-29)

• Jesus confirma que Judas foi possuído por Satanás: E, após o bocado, imediatamente, entrou nele Satanás. Então, disse Jesus: O que pretendes fazer, faze-o depressa. (Jo 13.27). Foi Satanás que colocou no coração de judas o desejo da traição (Jo 13.2).

• Jesus chama Judas de Filho da Perdição. Quando eu estava com eles, guardava-os no teu nome, que me deste, e protegi-os, e nenhum deles se perdeu, exceto o filho da perdição, para que se cumprisse a Escritura. (Jo 17.12). Esta expressão é aplicada no Novo Testamento para “o homem da iniqüidade” (2Ts 2.3), o “Anticristo”, grande e último opositor de Cristo, e destruidor de tudo aquilo que pertence a Deus.

Judas foi um traidor

Alguns estudiosos tentam entender e explicar a complexa personalidade de Judas. Ele foi uma vítima? Ele foi um herói? Ele foi um apostáta? Entendemos que Judas era um pecador perdido, que nunca creu em Jesus e que partiu para a eternidade de forma trágica (At 1.25).

Ele foi um traidor consciente, um instrumento de Satanás: Ora, Satanás entrou em Judas, chamado Iscariotes, que era um dos doze. Este foi entender-se com os principais sacerdotes e os capitães sobre como lhes entregaria a Jesus; então, eles se alegraram e combinaram em lhe dar dinheiro. Judas concordou e buscava uma boa ocasião de lho entregar sem tumulto. (Lc 22.3-6).

Mateus registra os últimos momentos de Judas: Ao romper o dia, todos os principais sacerdotes e os anciãos do povo entraram em conselho contra Jesus, para o matarem; e, amarrando-o, levaram-no e o entregaram ao governador Pilatos. Então, Judas, o que o traiu, vendo que Jesus fora condenado, tocado de remorso, devolveu as trinta moedas de prata aos principais sacerdotes e aos anciãos, dizendo: Pequei, traindo sangue inocente. Eles, porém, responderam: Que nos importa? Isso é contigo. Então, Judas, atirando para o santuário as moedas de prata, retirou-se e foi enforcar-se. (Mt 27.1-5)

Pequei, traindo sangue inocente! Eis a mais dolorida confissão. Eu sou um traidor! Ela está carregada de remorso e autodecepção.

Concluindo, Judas Iscariotes é um exemplo do que pode acontecer quando as pessoas seguem a Cristo indiferentemente, sem a experiência de conversão. Jesus alerta: Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniqüidade. (Mt 7.21-23).

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*