Qual o papel de uma agência Missionária

Autor: Silas M. Tostes

Qual é a utilidade de uma agência missionária? Será que realmente precisamos deste veículo para realizar a obra transcultural? Há várias maneiras de considerarmos o papel de uma agência missionária. Alguns são pessimistas e o definem como mal necessário, outros, como um bom instrumento do Senhor.
As agências surgiram em resposta ao desafio de missões, e para servir à Igreja. Seus alvos básicos: despertar, treinar e enviar missionários. e isto sempre servindo a Igreja. Nem sempre foram tão eficientes para o que se propunham. Como qualquer outro ministério, as agências passaram pelas fases iniciais de uma organização, adquiriram experiência e se tornaram mais eficientes.
Quando uma agência existe para servir um grupo de igrejas de uma mesma denominação, é chamada de junta missionária, fazendo o mesmo trabalho de uma agência interdenominacional, porém, servindo somente a uma denominação.
Estamos em um momento histórico em que se reconhece a utilidade das agências e juntas, porém, como um certo apêndice desnecessário ao Corpo de Cristo. Alguns sugerem que por um certo tempo a Igreja foi desobediente e não atendeu ao seu chamado missionário, então o Senhor levantou as agencias, não como o ideal, mas por força das circunstâncias e negligência da Igreja.
Uma outra maneira mais positiva de entendermos o papel de uma agência missionária é considerar as complexidades do campo missionário, pois, de fato, as agências foram fundadas por causa destas dificuldades e não por desobediência da Igreja, como tem sido sugerido. Pode ter havido erros históricos, quando as agências quase que se esqueceram o papel da Igreja como instrumento do Senhor, porém, o normal é terem a consciência que foram levantadas para servirem à Igreja naquilo que não lhe é fácil realizar.
Será que uma só igreja conseguiria entender tudo sobre os povos tribais, muçulmanos, hindus e budistas? Será que urna só igreja conseguiria treinar todos os seus candidatos nos assuntos básicos necessários, tais como: adaptação transcultural, vida do missionário, base bíblica de missões, antropologia. Islamismo, etc.? Será que uma única igreja poderia dar todo apoio no campo que os missionários precisam?

Uma agência pode realizar as seguintes tarefas em serviço da Igreja:

1. Fazer todo o trabalho administrativo de manter um missionário no campo, incluindo remessa de sustento, socorro médico, visitas pastorais, supervisão do trabalho, planejamento e estratégia, apoio logístico, etc.
2. Informar a Igreja onde há mais necessidades de obreiros.
3. Treinar transculturalmente os futuros missionários.
4. Participar de conferências, cultos e congressos missionários para assim instruir a Igreja.
5. Ter know-how dos campos onde atua, e instruir os recém-chegados.
6. Ajudar no levantamento de recursos para o trabalho normal e para projetos especiais
7. Ajudar a conseguir o visto.
8. Servir às igrejas já existentes, quando este for o caso, sempre treinando nacionais para assumirem o trabalho, tanto em um campo pioneiro, como em um campo com uma igreja já estabelecida.
9. Promover a unidade na expansão da obra missionária.

Há outros pontos também importantes, porém, estes são suficientes para ilustrarmos como as agências podem ser uma bênção para a Igreja, e como é difícil para a Igreja ter toda a estrutura necessária para desenvolver a obra missionária. As agências e juntas são instrumentos do Senhor, levantadas por Ele, cujos dirigentes e trabalhadores são amantes da obra de missões, especializados nisto, e fiéis membros de suas igrejas locais. Trabalham para servir a Igreja em sua totalidade.

*. Presidente da AMTB – Associação de Missões Transculturais Brasileira

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*