Precisamos orar?

O espírito de um conquistador

A oração é um dos meios pelos quais nós falamos a Deus o que está em nosso coração. É aquele momento em que, parodiando o poeta sacro, a alma deixa a terra e vai para o céu.

São nos momentos de grande angustia, dores e sofrimentos que provavelmente oramos com mais intensidade. Eu disse provavelmente, mas não necessariamente.
O profeta Jonas é um desses casos.
Totalmente desolado depois de um enorme fracasso, sem nenhuma perspectiva que pudesse lhe dar algum conforto, sem ninguém a quem recorrer, ele fez a unica coisa que lhe restava e que era possível naquele momento: Orou ao Senhor, seu Deus.
Primeira lição a ser aprendida: As circunstâncias adversas resultantes do seu fracasso não impedem você de falar com Deus. Isso é importante, porque nessas horas você é levado a pensar que Deus está zangado e por isso não adianta orar.
Depois que ele ora e ora com sinceridade ele não tem outra coisa a fazer senão esperar pela ação de Deus. No caso de Jonas parece que a resposta veio logo: Disse o Senhor ao peixe que levasse Jonas de volta para a praia.
Segunda lição a ser aprendida: A resposta de Deus pode vir por meio de outras pessoas quando Deus irá movê-las para que venham ao seu auxílio.
Terceira lição a ser aprendida: Espere e não fique dando chutes na barriga do peixe.
Quarta lição a ser aprendida: Talvez você não esteja na barriga do peixe, nesse caso fique atento porque pode ser que Deus queira usá-lo(a) para levar alguém até ao porto seguro.
Orou Jonas ao Senhor seu Deus e Deus ordenou ao peixe.
Extraordinário.
Antonio C Barro

www.antoniocarlos.org

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*