O Milênio e o novo paraíso de Deus

Autor: Maury de Paula Santos
Uma terra perfeita, sem mácula, sem pecado e sem maldição alguma, esse foi o cenário para que Deus fizesse descer do céu o primeiro paraíso para habitar com o homem que havia criado. Mas o homem ao desobedecer a ordenança de seu Criador, pecou, e com o pecado a morte entrou no mundo, e a terra como conseqüência foi amaldiçoada: “Maldita é a terra por tua causa; em fadiga comerás dela todos os dias da tua vida”( Gn 3:17b). Mas o pecado não alterou o propósito de Deus de habitar com o homem, era necessário um plano para restaurar a terra e o homem. Demonstrando o desejo de estar com seu povo, Deus ordena a Moisés que construísse um Tabernáculo, que era sombra do vindouro, através do qual, Deus inspirou a Moisés. ( Ex 25:9 ). Depois veio a construção do Tabernáculo de Davi, construído por seu filho o Rei Salomão ( I Reis 6:1 ).
Agora o próprio Deus se faz carne e habita entre nós através de seu Filho, Jesus Cristo, o último Adão, que viera ao mundo para restaurar o que o primeiro Adão arruinou com o pecado. E hoje somos o Tabernáculo do Deus Vivo, pois Ele habita em nós através do Seu Espírito. Com o pecado do homem, a terra e ele próprio passaram por um processo de degradação. O homem que era eterno, ao ter sua existência limitada a 120 anos por Deus, foi gradativamente atingindo esse patamar ao longo dos anos. Adão viveu 930 anos, outros viveram 800, 700, 600, até atingir o patamar imposto por Deus. Hoje a média de vida em alguns lugares no mundo atinge 49 anos para o homem. No Brasil, estimativa aponta a média de vida entre 70 e 73 anos. De igual forma a terra passou por um processo de devastação, que alcançará seu clímax durante a Grande Tribulação. O cenário que marca o retorno de Jesus Cristo é justamente esse, uma terra destruída (Ap 11:18), arrasada pelo pecado do homem, e distante da terra entregue à Adão por Deus. É necessário agora corrigir um erro de doutrina existente no nosso meio com relação ao reinado de Cristo nessa Terra. A maioria do meio cristão coloca que Cristo reinará 1000 anos na terra, e depois disso teremos a eternidade nos céus. O reino de Jesus Cristo, simbolizado pela pedra cortada sem o auxílio de mãos ( Cf. Dan 2:44 ) é eterno, e não por apenas mil anos, e isso encontra amparo no próprio texto em Apocalispe onde temos: “Os reinos do mundo vieram a ser de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará para todo o sempre”( Ap 11:15 b ).
Mas qual o motivo desse reinado antes que venha um novo céu e uma nova terra? Ao final da Grande Tribulação restarão sobre a face da terra milhões de pessoas, e entre essas, teremos milhares que não terão recebido a marca da besta e conseguiram chegar ao final da Tribulação com vida. Durante 45 dias, que vai do retorno de Jesus Cristo no final dos 1290 dias ao início do milênio ( Dan 12:12 ), serão julgadas as nações na face da terra. Em tese seria separar os que receberam a marca da besta dos que não receberam. ( Mt 25:31). Os que estiverem com a marca, serão mortos ( Ap 19:21). Os demais ( Zacarias 14:16) habitarão a terra e se multiplicarão sobre ela. Os que foram arrebatados e receberam corpos glorificados, esses formarão uma categoria especial que será tratada em outra apostila. E terá início na face da terra um processo inverso do que ocorreu com o pecado de Adão. “Pois assim diz o Senhor que criou os céus, ele é Deus; foi ele que formou a terra e a fez, ele a estabeleceu; ele não a criou para ser vazia, mas a formou para que fosse habitada” ( Isaías 45:18). Com a prisão de Satanás por mil anos ( Ap 20:1-2 ), Jesus Cristo irá ensinar às nações ( Isaías 2:4 – 11:9 ) e a terra começara a ser restaurada. No livro de atos enoontramos: ” Convém que o céu o contenha até os tempos da restauração de tudo, dos quais Deus falou pela boca de todos os seus santos profetas desde o princípio” ( 3:21 ). Lucas está se referindo a Jesus Cristo, e o conter, refere-se a retardar seu retorno a terra, e esse é condicionado até o tempo de restauração de tudo. Ao fazer menção aos profetas, referia Lucas entre, outros, a Isaías quando disse: “Assim diz o Senhor: No tempo favorável te ouvirei, e no dia da salvação te ajudarei, e te guardarei, e te darei por aliança do povo, PARA RESTAURARES A TERRA, e lhe dares em herança as herdades assoladas..”( Is 49:8) ” Reedificarão as ruínas antigas, e RESTAURARÃO os lugares há muito devastados; renovarão as cidades arruinadas, devastadas de geração em geração” ( Is 61:4). O profeta JEREMIAS também predisse essa restauração: “Pois restaurarei a sorte da terra como no princípio, diz o Senhor”( Jer 33:11b) Da mesma forma, Jesus irá trabalhar as nações, o homem, trabalhando a índole pecaminosa do homem. Os que sobreviverem a grande tribulação viverão por volta de 100 anos, depois 150, 200, e gradativamente a longevidade do homem irá aumentar, ao passo em que a terra estará sendo restaurada: “A terra seca se transformará em lagos, e a terra sedenta em mananciais de águas. Nas habitações em que viviam os chacais crescerá erva com canas e juncos. Ali haverá uma estrada; ela se chamará o Caminho da Santidade. O imundo não passará por ela, será para aqueles que andam pelo Caminho; os loucos ímpios não passarão por ela” ( Is 35:7-8).
Ao falar da longevidade do homem Isaías coloca: “Não haverá mas nela criança que viva poucos dias, nem velho que não cumpra seus dias; aquele que morrer com cem anos, será tido por jovem; o pecador que não conseguir alcançar cem anos será considerado amaldiçoado…….Pois os dias do meu povo serão como os dias da árvore, e os meus eleitos gozarão das obras da suas mãos até a velhice” ( 65:20- 22 )( Ver Joel 2:31-32). Haverá durante o milênio nascimento de pessoas como ocorrerá também muitas mortes, isso entre as nações que vieram da Grande Tribulação. Zacarias também profetizou isso: “Assim diz o Senhor dos Exércitos: Ainda nas praças de Jerusalém habitarão velhos e velhas, levando cada um na mão o seu bordão, por causa da sua muita idade” ( 8:4). Para ilustração, simbolizaremos o pecado como sendo uma verme que cravou no coração do homem suas inúmeras garras. E como um cirurgião, durante o milênio, Jesus estará soltando garra por garra, trabalhando o ser humano para que ele retorne a condição original de Adão. Quando findar os mil anos, Jesus Cristo terá completado esse trabalho, deixando o homem na mesma condição do primeiro Adão. Satanás será novamente solto, justamente para que as nações sejam provadas, após receberem durante mil anos a cura ministrada por Jesus Cristo.
Milhares voltarão a se rebelar e serão destruídos ( Apocalipse 20:7-10). Os que não se rebelaram, terão derrotado a Satanás e consequentemente retornado a mesma condição do primeiro homem e viverão eternamente na terra como homens naturais, como era para ser no princípio. Porém, apesar da restauração, e penso, para demonstrar ao homem a sua origem e tudo o que se passou, esses, dependerão da arvore da vida, pois as suas folhas servirão de cura para as nações. ( Ap 22:2). O reinado de Cristo portanto não é apenas por mil anos, e sim eterno, porém com um outro fato importante. No princípio Deus deu ao primeiro Adão uma terra perfeita e bela, e nela colocou o seu paraíso. Agora, o segundo Adão, através de sua vitória na Cruz do Calvário, e de seu trabalho durante os mil anos, restaura o homem e a terra, deixando na condição inicial. Estando portanto o cenário restaurado, abre-se então caminho para que Deus envie o NOVO PARAÍSO. Antes porém, ocorre a segunda ressurreição, ( Ap 20:5), e teremos o juízo final, onde os ímpios serão julgados. ( Ap 20:11-13). Cumprir-se-á então a profecia contida na Carta de Paulo aos Coríntios: “Pois convém que ele (Jesus) reine até que haja posto a todos os inimigos debaixo dos seus pés. Ora, o último inimigo a ser destruído é a morte ( e consequentemente o pecado ). Pois todas as coisas sujeitou (Deus) debaixo de seus pés ( Pés de Jesus). Mas, quando diz que todas as coisas lhe estão sujeitas, clara está que se excetua aquele que lhe sujeitou todas as coisas. E, quando todas as coisas lhe estiverem sujeitas ( a morte ter sido destruída), então também o mesmo Filho se sujeitará àquele que todas as coisas lhe sujeitou, para que Deus seja tudo em todos” ( I Cor 15:27-28) ( Conteúdo entre parênteses apenas para facilitar entendimento- não consta da tradução ).
Necessário que ele reine, demonstrando o porque do reinado de mil anos, para que a terra fosse restaurada. E a morte que entrou no mundo através do primeiro Adão, agora deixa a terra através do Último Adão, Jesus Cristo ” Então a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo. Esta é a segunda morte”( Apocalipse 20:14) A morte sendo lançada no inferno e com ela naturalmente o pecado, e a terra retorna a sua condição original, sem maldição: “Ali nunca mais haverá maldição”( Apoc 22:3a) Ao sujeitar todas as coisas debaixo de seus pés, ou em outras palavras, ao deixar a terra como dantes, Jesus se sujeitará à Deus. Em outras palavras, o Filho dirá para seu Pai: Deixei tudo conforme o Senhor entregou ao primeiro Adão, venha e traga consigo o Novo Paraíso ( Nova Jerusalém) , para que eu ( O Novo Adão) habite eternamente com minha amada Igreja ( A Nova Eva ), juntamente contigo o Glorioso Deus: ” Então vi um novo céu e uma nova terra, pois já o primeiro céu e a primeira terra já passaram e o mar já não existe. Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém que de Deus descia do céu, ataviada como uma noiva para o seu noivo.E ouvi um grande voz, vinda do trono que dizia: AGORA O TABERNÁCULO DE DEUS ESTÁ COM OS HOMENS. DEUS HABITARÁ COM ELES, E ELES SERÃO O SEU POVO, E O PRÓPRIO DEUS ESTARÁ COM ELES, E SERÁ O SEU DEUS” ( Apoc 21:1-3). Ter-se-á cumprido então a profecia predita por Ezequiel. ( Cf. Ez 37:25-28). O reinado de Cristo portanto é eterno, ele assume a terra e durante mil anos a restaura, e ao seu final entrega o reino para Deus, para que Ele seja um em todos. A terra entretanto é essa mesma, o sentido de Apocalipse 21:5 é de fazer novas todas as coisas, e aquele que está em Cristo, nova criatura é ( 2 cor 2:5-17). O pecado fez com que a terra se envelhecesse, mas como se muda uma roupa, assim ela será mudada. Ao aceitar-mos a Jesus Cristo, nos despirmos do Velho Homem, e vestimos a vestiduras brancas do novo homem formado segundo o coração de Deus: ” Não mintais uns aos outros, pois já vos despistes do velho homem com os seus feitos, e vos vestistes do novo, que se renova para o conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou”( Col 3: 10-11). Da mesma forma, a terra envelhecida pelo pecado, tornada um caos por causa do primeiro homem, terá uma nova veste, pura, cristalina, e trabalhada pelo Último Adão que é Jesus Cristo. : “Eles perecerão, mas tu permanecerás; todos eles, como roupa envelhecerão. Qual um manto os enrolará como roupa se mudarão. ” (Hebreus 1:10-14) ( Cf. Isaías 51:6 – Salmos 102:25-27 – Isaías 34:4 ).
Esse é o sentido da capa do Livro “Apocalipse, de Volta ao Gênesis”, onde temos a terra em duas dimensões. Na primeira, a terra em contraste com a imensidão do universo numa grande escuridão, simbolizando o pecado e o caos. Na outra, a mesma terra, já restaurada, e a página sendo virada, ou o manto sendo enrolado, indicando que como roupa ela seria mudada, mas a terra seria a mesma. Conforme Deus havia predito por intermédio de Isaías, ele fez a terra para que fosse habitada e não para ser vazia ( Cf. Isaías 45:18). E eternamente o homem viverá com Deus nessa terra, como era para ser desde o princípio.”Mas os mansos herdarão a terra e se deleitarão na abundância de paz” ( Salmos 37:11 e 37:29 ) ( Cf. Mateus 5:5 – Daniel 2:44 – Apocalipse 11:15 – Apocalipse 21:24 – Isaías 60:12 – Salmos 45:16 – e tantos outros textos mais).Mas existe algo muito mais maravilhoso ainda a ser colocado, ou seja, acerca dos que habitarão dentro da cidade. Esse é o tema da próxima apostila.

Para a Maior Glória de Deus !!.

Breve Ele Volta!!!

Elaborada por: MAURY DE PAULA SANTOS Contato: reghom@uai.com.br

O Novo Paraíso de Deus

No final dos mil anos, com a restauração da terra e a entrega do reino por Jesus à seu Pai, desce do céu então o novo paraíso, a Cidade Santa, para habitação de Deus com o seu povo. Para compreensão dos propósitos de Deus, é necessário uma revisão do passado, pois a história se repete, porém os personagens é que são outros. A chave para o entendimento é a ordem dada por Deus à Moisés, e encontrada no Livro de Êxodos 25:9 “Segundo tudo o que eu te mostrar para modelo do tabernáculo, e para modelo de todos os seus móveis, assim mesmo o fareis “. Acerca desse tabernáculo colocou o escritor de Hebreus: “Eles servem num santuário que é figura e sombra das coisas celestiais. É por isso que Moisés divinamente foi avisado, quando estava a construir o tabernáculo: Vê que faças tudo conforme o modelo que te foi mostrado no monte”( 8:5 ). Naturalmente, quando o derradeiro viesse guardaria relação com os terrenos, pois esses, nele foram inspirados. Quando da saída do povo de Deus do Egito, Deus tomou para si todos os primogênitos de Israel : “Consagra-me todo primogênito; todo que abre a madre de sua mãe entre os filhos de Israel, assim de homens, como de animais, é meu “( Êxodos 13:1 ). Tendo Moisés construído o tabernáculo, Deus então ordena que a tribo de Levi iria servi-lo nesse Tabernáculo: ” E para mim tomarás os levitas, (eu sou o Senhor), em lugar de todo primogênito dos filhos de Israel.” ( Nm 3:41 – 3:12 – 8:16-18). Ao contar os levitas, esses foram em número superior aos primogênitos de Israel, pelo que então foi pago um resgate a Arão e seus filhos, da ordem de 1365 ciclos, por um total de 273 levitas excedentes. “E darás a Arão e a seus filhos o dinheiro, com o qual são resgatados os que são demais entre eles”( Nm 3:48). E para ministrarem no tabernáculo, eles deveriam serem apresentados à Deus: “Arão apresentará os levitas como oferta movida perante o Senhor da parte dos filhos de Israel; e serão para o serviço do Senhor” ( Nm 8:11). E para que se cumprisse a ordem de Deus: “Os levitas se purificaram e lavaram as suas vestes, e Arão os apresentou por oferta movida perante o Senhor, e fez expiação por eles, para purificá-los” ( Nm 8:21). Tomados em lugar de todo primogênito, os levitas fariam o serviço no Tabernáculo, eram propriedade exclusiva de Deus. Enquanto as demais tribos acampavam em seus arraiais, os levitas iriam acampar ao redor do tabernáculo: “Mas os levitas se acamparão ao redor do tabernáculo do testemunho, para que não haja ira sobe a congregação dos filhos de Israel; pelo que os levitas tomarão a si o cuidar do tabernáculo do testemunho”( Nm 1:53). Como não tinham heranças entre as demais tribos, recebiam os dízimos : “Aos filhos de Levi dei todos os dízimos em Israel por herança, pelo serviço que exercem, o serviço da tenda da congregação”( Nm 18:21). E cada um foi designado para sua tarefa: “Segundo o mandado do Senhor por Moisés, foram designados, cada um para o seu serviço, e a sua carga: e deles foram contados, como o Senhor ordenara a Moisés. ( Nm 4:49 ). Depois da entrada em Canaã, os levitas receberam para habitação 48 cidades ( Josué 21:1-45). Com a construção do Templo de Salomão ( I Reis 6:1 ) os levitas não precisavam mais carregar o tabernáculo e passaram a ter novas atribuições: “Assim os levitas já não precisaram levar o tabernáculo e nenhum dos utensílios para o seu ministério”( I Cr 23:26 ). E os Levitas foram divididos por turnos ( 2 Cr 31:2), e por funções variadas; Cantores ( I Cr 25:1-31) Porteiros ( I Cr 26:1-19) Tesoureiros (I Cr 26:20 ) Juízes ( I Cron 26:29) Chefes de Turno ( I Cron 27:4 ) Músicos ( I Cron 15:16 ) Sacerdotes ( I Cron 16:39 ). Este e um esboço do tabernáculo que Deus ordenou a Moisés que construísse, e era sombra do vindouro. Pela leitura da Apostila anterior, sabemos que com certeza, Moisés se inspirou na Cidade Santa, o Novo Paraíso de Deus, o Tabernáculo eterno para habitação de Deus com o seu povo. E nesse aspecto que encontramos um dos fatores mais importantes para que sejamos salvos e subamos no arrebatamento da igreja. Deus tomara para si um povo escolhido, uma raça eleita, conforme Pedro já assim colocava a respeito da Igreja: ” Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as grandeza daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.” ( I Pedr 2:9). Como relatado na apostila anterior, as nações que vieram da grande tribulação e entraram para o milênio, ao seu final, terão derrotado a satanás, apesar de muitos se rebelarem e serem destruídos. Essas nações viverão eternamente nessa terra como mortais, como era para ser no princípio, esse é o propósito de Deus, e a Nova Jerusalém será a referência para essas nações: “As nações andarão mediante a sua luz, e os reis da terra lhe trazem a sua glória “( Apoc 21:24 – Cf Isaías 60:12 ). Sendo o Tabernáculo Eterno de Deus, e do qual Moisés inspirou-se para construir o terreno, a composição do Celestial teria o que vimos no terreno. Se no terreno foi separado um povo para ministrar a Deus no Tabernáculo, assim será no Celestial. E isso já havia sido profetizado por Jeremias: “Assis diz o Senhor; Se puderes invalidar a minha aliança com o dia e a minha aliança com a noite, de tal modo que não haja nem dia nem noite a seu tempo, poder-se-á também invalidar a minha aliança com Davi, meu servo, para que não tenha filho que reine no seu trono; como também com os levitas sacerdotes, meus ministros. Como não se pode contar o exército dos céus, nem medir-se a areia do mar, assim tornarei incontável a descendência de Davi, meu servo, e os levitas que ministram diante de mim” ( Jer 33:20-22) ( Ver ainda Saías 66:21). E essa profecia se cumpre em Apocalipse onde temos: “Depois destas cousas vi, e eis grande multidão que ninguém podia enumerar, de todas as nações, tribos, povos e línguas, em pé diante do trono e diante do Cordeiro, vestidos de vestiduras brancas, com palmas nas mãos” ( Apoc 7:9 ) Temos diante do trono uma grande multidão que ninguém podia enumerar, linguagem simbólica para dar a uma idéia da quantidade de pessoas, a mesma empregada em Jeremias ao comparar que os levitas seriam como a areia do mar. Quem são essas pessoas? São os levitas que foram tomados de todas as nações da terra para servirem à Deus dentro da Cidade Santa. E quem são esses levitas? Todos os que forem levados para Deus até o seu trono, quando do evento denominado Arrebatamento da Igreja. Para participar do arrebatamento é necessário receber Jesus Cristo como nosso Senhor e Salvador. Mas para servimos a Deus dentro do Tabernáculo, o processo de preparação pelo qual os levitas passaram, teria que ocorrer conosco. Os levitas como vimos, lavaram suas vestes e se purificaram; nós, a igreja de Cristo, “Lavaram suas vestes e as purificaram no sangue do Cordeiro”. ( Apocalipse 7:14 – 22:14 ). Nossas vestes foram lavadas no Sangue do Cordeiro. Arão ofereceu um cordeiro sem defeito e apresentou os levitas como oferta agradável à Deus. Em nosso caso, o próprio Senhor Jesus Cristo ( Cordeiro Imaculado ), através de seu sacrifício na cruz do calvário, nos apresentou como oferta suave à Deus: “E andai em amor, como também Cristo vos amou, e se entregou a si mesmo por nós, como oferta e sacrifício a Deus em aroma suave”( Ef 5:2 – Cf ainda Hb 10:14 – Saías 53:10 ), fazendo expiação por nossos pecados: “Ele, que é o resplendor da glória e a expressão exata do seu Ser, sustentando todas as cousas pela palavra do seu poder, depois de ter feito a purificação dos pecados, assentou-se à direita da Majestade nas alturas”( Hb 1:3 – Cf ainda I Jo 1:19; I Ped 1:22; Tt 2:14; Ef 5:26). Da mesma forma que foi pago um resgate pelos Levitas excedentes à Arão, foi pago um alto preço pelo nosso resgate: ” digno és de tomar o livro e abrir-lhe os selos, porque foste morte e com o teu sangue compraste para Deus os que procedem de toda tribo, língua, povo e nação e para o nosso Deus os constituíste reino e sa
cerdotes; e reinarão sobre a terra: ( Apocalipse 5:9-10 – Cf ainda I Cor 6:20; 7:23; 2 Ped 2:1, Gal 3:13 e 4:5; Hb 9:15, Cl 1:14, Ef 1:7, Tg 2:14, Ef 1:14, Tt 2:14 e tantos outros textos mais). Os levitas somos nós, que fomos comprados para Deus através do precioso sangue de Jesus, sendo assim, primícias para Deus : “Segundo a sua vontade, ele nos gerou pela palavra da verdade, para que fôssemos como que primícias das suas criaturas”( Tiago 1:18 ). E como primícias, constituiremos a Igreja dos Primogênitos, a Igreja dos Levitas, arrolados nos céus: “Mas tendes chegado ao monte Sião, e à cidade do Deus vivo, a Jerusalém Celestial, e a incontáveis hostes de anjos, e à universal assembléia e IGREJA DOS PRIMOGÊNITOS arrolados nos céus, e a Deus, o Juiz de todos, e aos espíritos dos justos aperfeiçoados”( Hb 12:22-23). Conforme colocado, os levitas recebiam os dízimos de todas as demais tribos, e nós como Levitas, e habitando dentro da Nova Jerusalém, receberemos o melhor das nações na face da terra: ” Mas vós sereis chamados sacerdotes do Senhor, e vos chamarão MINISTROS DE NOSSO DEUS,; comereis as riquezas das nações, e na sua glória vos gloriares”( Saías 61:6 Cf Apoc 21:24; Is 60:11 ; Zac 14:16-21; e outros). Outra questão abrange agora o que faremos dentro do Tabernáculo. Nesse aspecto é que penso, entrará os galardões ( Apoc 22:12 e Mt 5:11-12). A nossa função dentro do Tabernáculo Eterno, ou nos propósitos de Deus, será proporcional ao que tivermos produzido pela causa do Evangelho, sendo então efetuada a divisão das funções dentro do tabernáculo. Convém considerar ainda a parábola das dez minas: “Muito bem, servo bom, porque foste fiel no pouco, terás autoridade sobre dez cidades”( Lucas 19:17). Durante o milênio bem como por toda a eternidade, as nações existirão sobre a face da terra, e as divisões que hoje encontramos, como, estados, cidades, vilas, vilarejos, deverão permanecer eternamente. Nesse aspecto, Deus iria designar pessoas para comandar essas cidades: “Eis aí está que reinará um Rei com justiça, e em retidão governarão príncipes”( isaías 32:1 cf ainda Saías 1:1-16, Mq 4:1-13). E no mesmo sentido, temos o salmista ao se referir a Jerusalém: ‘Em vez de teus pais, serão teus filhos, os quais farás príncipes por toda a terra” ( Salmos 45:16 ). E eternamente, Jesus Cristo ( O Último Adão), a Igreja ( A Nova Eva) habitarão com Deus no Novo Paraíso, nessa terra, como era para ser desde o princípio.

Para Maior Glória de Deus.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*