A história de um pescador

Autor: Prof. Gretz
Esta história é contada por meu pai, Roberto Herbert Gretz, em seu livro “As preocupações e as soluções”. É verdadeira e passou-se em Itapeva (interior de São Paulo) quando a cidade ainda tinha o nome de Faxina.

Um homem chamado Antônio Rodrigues gostava muito de pescar, e também de mascar fumo e de cuspir. Tinha uma vara de taquara com uns sete metros de comprimento, um barbante amarrado e um enorme anzol de pegar bagre. Era barbante mesmo, porque nesse tempo não havia por lá outro tipo de linha para pescar.

Antônio chegou ao rio Taquari para pescar os bagres que iria vender na manhã seguinte, na praça da cidade. Calçando chinelos, levava com ele um velho balaio, um cesto de taquara, uma latinha com minhocas, um facão na cintura para afugentar as onças e um enorme cigarro de palha de milho, que ele ia tragando e cuspindo na água do rio. Os peixes iam ficando atordoados com o gosto do fumo. Assim ficava mais fácil para ele fisgar os peixes e os pernilongos fugiam dele por causa da fumaça daquele fumo de corda.

Antônio colocou uma minhoca no anzol e começou a pescar. Fisgou o primeiro bagre e colocou no cesto que estava pendurado no galho de uma árvore. Logo pegou outro e mais outro e mais outro, e completou doze bagres. Ele cantava de alegria, sem perceber que aquele cesto tinha sido roído por um rato e estava com um buraco no fundo. O peixe que ele ia colocando no cesto saia pelo fundo e depois voltava de novo no anzol.

E assim ele pescou o mesmo bagre doze vezes! Pensou que tinha pescado doze peixes, mas quando terminou a pesca ele só tinha um. Os onze primeiros eram sempre o mesmo, pois, ao que tudo indica só havia um bagre naquele rio.

P.S. – Se não estivermos atentos, avaliando o resultado do nosso trabalho a cada momento, todo o esforço pode tornar-se inútil por causa de um pequeno detalhe, como o furo no fundo do cesto.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*