9 sugestões para melhorar o louvor da igreja

cantora cantando
a mulher na igreja

Depois que as igrejas se livraram dos velhos hinos e incluíram somente os cânticos em seu momento de louvor o culto nunca mais foi o mesmo. Mudou tudo e hoje o louvor é ou tem sido a parte mais importante no culto.
As igrejas tem mais ou menos o mesmo tipo de culto. Uma leitura bíblica, uma oração e já passa para o louvor de mais ou menos uma hora de duração. Todo mundo em pé (no Brasil é pecado cantar sentado), batendo palmas, sacudindo o tronco. Mãos levantadas, olhos fechados, lágrimas, glórias e aleluias.
Mesmo sabendo que não vai mudar nada, aqui vão algumas dicas para os pastores e ministros de louvor.
1. Se possível escolher as músicas de acordo com o tema do sermão.
– muitas vezes, é verdade, o pastor nem sabe o que vai pregar até meia hora antes do culto, mas se o ministro de louvor insistir, quem sabe o pastor fica sem graça e começa a preparar antes. Essa dissintonia é vista todos os domingos. O pastor prega sobre a travessia do mar vermelho e as músicas sobre a segunda vinda de Cristo.
2. Se possível escolha umas quatro musicas. Comece com as mais agitadas e termine com as mais lentas.
– ao passar a palavra para o pastor, que a sua última musica não seja do tipo “vem com Josué lutar em Jericó”. Até o povo se acalmar para ouvir a mensagem demora meia hora.
3. Se possível não repita a música 10 vezes. Duas vezes é o suficiente.
– algumas músicas adquirem o tom de mantra. Repete tantas vezes que irrita os mais racionais e mais velhos. O louvor não é um mantra indiano.
4. Se possível não feche os olhos durante as músicas.
– quase todas as pessoas no palco cantam com os olhos fechados. Que coisa mais absurda. Os membros da banda parecem que entram em Alfa e fecham os olhos, levantam as mãos, choram, etc. O pessoal do louvor não entende que o canto é comunitário e não individual. Eles estão ministrando para o povo. Abra os olhos! Veja o que está acontecendo. Note se alguém não está cantando (não para perturbar a pessoa, mas para depois abordá-la oferecendo ajuda). Imagine se eu como pregador pregasse com os olhos fechados o meu sermão!
5. Se possível não pregue entre as musicas.
– Entre uma musica e outra tem aquele sermãozinho. Um monte de palavras que não fazem sentido ou a repetição do que a musica vai falar. Ministro de louvor é pra ministrar louvor, deixe a pregação com o pastor. Cante umas três musicas e antes de cantar a última, faça uma oração.
6. Se possível ao terminar o louvor não vá para fora do templo.
– músicos gostam de cantar ou tocar, ouvir o sermão nem sempre. É deselegante você “sumir” e “aparecer” depois do louvor.
7. Se possível ensaiar antes do culto.
– É duro chegar para o culto e ver a banda ainda ensaiando. Falta de compromisso.
8. Se possível deixe o Espírito Santo agir.
– não fique com palavras de ordens tipo “vocês não estão animados”, “vocês precisam soltar as vozes”, “vocês não jantaram hoje”. Irritante.
9. Se possível coloque um hino para “agradar” os crentes mais velhos.
– o louvor é comunitário e na igreja tem jovens e velhos. Alias, são os velhos que dão dízimo para comprar os instrumentos da banda. Pense nisso!
Tem mais coisas, mas vou deixar espaço para você contribuir em como o louvor pode ser melhorado em sua igreja.
Antonio C Barro

15 Comentário

  1. Bom dia . Gostaria de fazer algumas pergunta : Antonio , quando você vai louvar a Deus nosso Senhor seu louvor e para Deus ou as pessoas??? Seu culto racional é para o Senhor ou para as pessoas ???

  2. Acho que não devemos se preocupar com as pessoas, mas sim em agradar o coração de Deus em nos louvores ,e atrair sua atenção e deixar o espírito agir à vontade .

  3. Sabemos que existe dentro da igreja brasileira muito showzinho gospel , esquecemos de agradar a Deus em nossos louvores e culto e queremos agradar às pessoas.

  4. Alguns pontos concordo, mais há pontos em seu comentário que é pessoal…desejo seu, e concepção sua sobre como deve ser o momento de cânticos (louvor é a celebração por completo)…exemplo:
    – “escolher 04 musicas…mais agitadas primeiro e mais lenta por último”…eu mesmo gosto de começar a pregar com o povo em alegria, no pique…para mim é indiferente musica que baixa a adrenalina antes do sermão, ou musica com tempo mais acelerado…
    – “…pecado em cantar sentado”…pecado não é, concordo, agora…porque não em pé? Porque não mexer o tronco? (Salmos 149:3 – 2 Sam. 6:16), Porque não palmas (Salmos 47:1)…ou seja, a Biblia traz vários exemplos de demonstração de contentamento, alegria com danças…palmas enfim…e vários textos com demonstração de exaltação, rendição através de choro, disposição de ficar de joelhos, enfim…Deus vê o coração e não como ficamos aparentemente…lembre-se disso!
    Bom irmão, algumas dicas escritas por você são legais, mais sendo no âmbito geral, e não seu gosto pessoal…ai não vale varão!!
    Abraços

  5. Helcio,
    Deus é Deus não precisa de nossos favores. Te digo que a maior preocupação de Deus são com os participantes. Deus se agrada com o Culto, mas se preocupa mais com os homens aqui da terra, os não salvos.
    Precisamos preparar um culto ordeiro para os visitantes e, como você disse devemos agradar só a Deus. Engano seu “Há festa no Céu por mais um convertido”. O convertido é pela mensagem e não por esta “parafernália” musical que existe hoje em dia nas Igrejas infelizmente. Jovens mal orientados só querendo “APARECER”, É O JEITO DELE APARECER!
    O verdadeiro culto ao Senhor é baseado na maioria do seu tempo “na Palavra”, na mensagem de Cristo o que “SALVA!” Este deve ser exaltado na maior parte do culto. Amém.
    Dc. Rilvan Stutz
    Catedral Presbiteriana do Rui de Janeiro

  6. Boa Tarde

    Como você mesmo disse você prega.

    Deixe o Louvor para quem sabe cantar.

    Como se diz: Está triste ore, está feliz LOUVE.

  7. Hinos, louvores e barulho.

    Ivone Boechat

    Antigamente, quando alguém passava na rua poderia ser alcançado pelo poder de Deus, ao ouvir a Igreja cantando um hino inspirado, com letra simples e profunda. Sempre a Igreja usou instrumentos musicais: violino, órgão, piano, ou acordeom… Quantas pessoas se converteram… ouvindo um hino, um coral, a música inspirativa ? Hoje, quem passa pela rua ou por fora do templo, não consegue ouvir nem a igreja cantando, coitada, ela até se esforça, grita, fica na ponta do pé, se esgoela, mas não vence o som altíssimo da bateria, estrondando e balançando lustres e vidraças, com 90 decibéis. Quem sabe até despencando o telhado.

    Os educadores andam sobressaltados com tanta coisa que se esbarra na formação da futura igreja. Ela está aí e não venham dar a desculpa que não convence: “para conquistar os jovens é preciso liberar tudo, heresia na letra, barulho ensurdecedor, dança, som de danceteria, coreografia, porque o mundo está perdido e é preciso ceder”. A educação tem recursos para ajudar a por as coisas em ordem. Não precisa se contaminar com o mundo nem adoecer todo mundo com tanto barulho.

    Os evangélicos têm hinos perfeitos, lindíssimos e inigualáveis e alguns “cristãos modernos” ficam esnobando esse acervo, chegando ao cúmulo de discriminarem e até substituírem os maravilhosos e inspirados hinários por “louvores” mal feitos, sem pé nem cabeça. Acham que louvar é fazer muito, mas muito barulho…! Quando se usa o som acima da capacidade auditiva, desequilibra, irrita e…pode até matar. Quem usa marca passo não pode ir à igreja. Os idosos estão sendo expulsos, as crianças, coitadas, sofrem…, e haja tímpano. Os cultos ultrapassam a 80 decibéis! Muitos irmãos não agüentaram e desapareceram dos barulhões que antecedem ao culto. Chegam mais tarde! Ou nem chegam.

    “A minha casa será chamada casa de oração”. Mt 21:13

    O ambiente na igreja deve ser próprio para a comunhão, para a oração, sim, para o louvor e não para um show que desarmoniza, incomoda, desprepara o cérebro para receber a mensagem. O cérebro desorganizado não está apto para gravar nada.

    Por onde andam os corais infantis? Cadê os quartetos que cantavam nas Igrejas? Cadê os hinos lindos tradicionais ? Há igrejas que nem evangélicas são que estão tomando posse dos hinos do cantor cristão, da harpa e outros nossos hinários tradicionais, e afirmando que são hinos deles. Que eles cantem, tudo bem, cantemos juntos ao redor da terra, mas nunca, porque nós os desprezamos ou substituímos o belo pelo desarranjo.

    “Parece-vos pouco o fatigares e provares a paciência dos homens? Agora quereis também abusar da paciência do meu Deus?” Isaías 7:13

  8. A influência da música na saúde mental
    Ivone Boechat

    A música se destaca dentre as expressões artísticas, desde os primórdios da narrativa bíblica. No século VI a.C, Pitágoras afirmava: “A música e a dieta são os dois principais meios de limpar a alma e o corpo e manter a harmonia e a saúde de todo organismo”.
    Nada no planeta escapa aos efeitos da música. Ela interfere em tudo: na digestão, na produção de secreções, na circulação sanguínea, nas batidas cardíacas, na respiração, na nutrição e nas inteligências.
    O alemão Tartchanoff, especialista nos fenômenos cerebrais, provou que “A música exerce poderosa influência sobre a atividade muscular, que aumenta ou diminui, de acordo com o ritmo, o volume, o estilo”. Os sons são dinamogênicos, isto é, aumentam a energia muscular em função de sua intensidade e ritmo. Ou o inverso: a música pode paralisar. O uso errado da música encurta a vida e, corretamente usada, ajuda a preservá-la. As batidas cardíacas podem ser reguladas ou transtornadas pelos sons musicais. O rock, por exemplo, faz mal à saúde física e mental, e vicia tanto quanto qualquer droga química. Um rock-dependente submetido a um tratamento de desintoxicação mental demora muito para curar a desarmonia no seu metabolismo.
    Já os ritmos harmoniosos são estimulantes, sedativos, ajudam a recuperar o sono e fixam a memória. A medicina usa a música na terapia de partos, cirurgias, tratamentos dentários etc. Empresas de saúde entretêm pacientes em sala de espera com música suave, neutralizando a ansiedade.
    Médicos de Los Angeles, EUA, selecionam músicas para relaxar no tratamento de pacientes com dores. No Brasil a música é usada na assistência a doentes terminais.
    Há muito se sabe que a música estimula a produção no trabalho. Em restaurantes, se inteligentemente usada, ela estimula o apetite, o romantismo, a confraternização, as comemorações. Nos quartéis, desperta o espírito cívico. A Bíblia conta, por exemplo, que o rei Jeosafá usou um grandioso coral e uma banda de música para intimidar o inimigo (II Cr 20). Ganhou a batalha!
    Shakespeare dizia que a música: “Presta auxílio a mentes enfermas, arranca da memória uma tristeza arraigada, arrasa as ansiedades escritas no cérebro e, com seu doce e esquecedor antídoto, limpa o seio de todas as matérias perigosas que pesam sobre o coração”.
    Para cada ambiente há ritmos, sons e volumes apropriados. Porém, o volume acima de 60 decibéis, segundo órgãos internacionais de saúde, pode causar espasmos e lesões cerebrais irreversíveis. Mais de 90 decibéis, e o excesso sonoro e rítmico calcificam parcialmente o cérebro, bloqueando a memória. A mensagem externa não pode ser gravada, porque a química está alterada pelo excesso de adrenalina.
    A epilepsia musicogênica resulta do excesso de ruídos musicais, incluindo convulsões. A lesão produzida pelo mau uso do som pode até matar, se a vítima não for adequadamente tratada. Desde o quarto mês de gestação, os bebês já podem perceber a agressão externa pela inteligência corporal. A ansiedade de uma grávida onde o som ultrapassa os limites humanos de segurança é percebida e registrada pelo feto.
    Hoje, muitos jovens têm problemas de audição comuns em idosos, o que explica o volume exagerado de músicas em festas e cultos. Isso leva a sons cada vez mais altos. Outros efeitos negativos são irritabilidade, memória confusa, baixa aprendizagem, baixa autoestima, insônia, cefaleia, vômitos, impotência, morte etc.
    Na Alemanha, um estudo revelou que 70 decibéis sistemáticos de “música” causam constrição vascular – mortal, se as artérias coronárias já estiverem estreitadas pela arteriosclerose. Quem usa marca-passo deve fugir desses ambientes! É comum o mal-estar súbito em pessoas durante festas em que a música, ao invés de ser um bem passou a ser arma. É uma questão de saúde pública!
    Se usada com equilíbrio, a música sensibiliza, entusiasma, fortalece a memória, consola, tranqüiliza, desperta a atenção, mobiliza inteligências…
    A música deve ser usada inteligentemente, como recomenda um dos maiores músicos da antiguidade, Rei David: “ Pois Deus é o Rei de toda a Terra; cantai louvores com inteligência.” Sl 47:7 .
    Nos céus de Belém, anjos cantaram naquela noite em que a Internet de Deus se abriu à humanidade, em sons harmoniosos e o data-show celestial revelou “… novas de grande alegria…” Lc 2:10

    Extraído do livro A família no século XXI 1ª edição Reproarte 2001 RJ

  9. A música deve ser usada inteligentemente

    Ivone Boechat

    O cérebro humano está cansado e agredido pelo excesso de informações. A tv se encarregou de saturar, incessantemente, com sons irritantes; nas ruas, os motoristas buzinam estridentemente, e aceleram forte, produzindo barulho excessivo; os ruídos internos empurram o ser humano para o universo interior das cobranças sociais, e assim estressado pelo trabalho, ele se dirige aos templos para buscar a Palavra, a quietude, a reflexão. Quem não gostaria de orar silenciosamente ao entrar no santuário, ao som de uma musica suave? Quem não gostaria de ouvir um coral, ou cantar com a congregação um hino inspirativo, sem necessidade de tentar superar o barulho do que mais parece um “trio elétrico” de 90 decibéis, prejudicando a audição e a saúde?

    Ainda há tempo de reverter o horror que se instalou nos templos durante o culto. Autoridades especializadas no estudo dos efeitos do som indicam que ruídos em níveis elevados alteram o comportamento humano e não preparam o cérebro para ouvir a mensagem, pelo contrário, interferem na química cerebral, que fica muito alterada. Com toda essa adrenalina a pessoa torna-se incapaz de gravar a mensagem.

    A música é um poderoso fixador da memória: sensibiliza; emotiza (cria entusiasmo); prepara o cérebro para arquivar as mensagens; consola; tranqüiliza; desperta a atenção; estimula a produção dos hormônios que formam o padrão químico das inteligências.
    A música deve ser usada inteligentemente, como recomenda um dos maiores músicos da antiguidade, Rei David:

    “ Pois Deus é o Rei de toda a Terra; cantai louvores com inteligência.” Sl 47:7 .
    “Cantai-lhe um cântico novo, tocai com arte e júbilo.” Sl. 33:3

  10. Caro irmão Helcio – Quando você vai louvar a Deus, não como ministro de louvor, então você pode dispensar sua preocupação com as pessoas. Mas se você está no púlpito, você está ministrando o louvor a Deus. Quem ministra, ministra para as pessoas, ou seja, você está levando as pessoas a louvarem também. Então você tem que se preocupar com as pessoas sim! De alguma forma você está liderando um louvor coletivo.
    Se você não pensa assim, então desça do púlpito e fica na sua, como você quer e provavelmente tem feito.

  11. Caro Edmar!
    No pique???
    A igreja precisa de Palavra que fique gravada nos corações.
    A emoção do “pique” termina assim que o culto termina. Por isso vemos hoje crentes de duas personalidades. Uma na igreja, na hora da emoção, e outra fora da igreja, quando cai na real.
    A igreja hoje precisa de Palavra. Temos que trabalhar o caracter e a personalidade das pessoas através da Palavra. Jesus não ensinou emoções. Ensinou Palavra.
    Emoção??? Até pode. Mas pelo conteúdo da Palavra e não pela retórica.
    Pense nisso.
    Fica com Deus. O Deus da Palavra.

  12. Cantar em pé durante 40 minutos ou 1 hora???
    É bem verdade que cantar em pé facilita a emissão da voz e da respiração.
    Mas, a despeito disso, as igrejas de hoje, com esse louvor estrondoso e em pé por mais de meia hora, deveria ter na porta de entrada um aviso assim:
    “PROIBIDA A ENTRADA DE VELHOS”. Pois normalmente os mais velhos tem problemas nas juntas, principalmente joelhos, e problemas também de audição, que agrava quando exposto a ruídos estrondosos.
    Assim sendo, os velhos estão excluídos da igreja moderna.
    É isso????

  13. Eu canto no ministério de louvor e sim eu canto de olhos fechados pq quando eu canto eu quero cantar pra Deus! Eu canto com o coração aberto! Eu não obrigo ninguém a cantar, vc não tem q fazer nada obrigado, por isso Deus deu o lovre arbítrio, para q as pessoas escolhessem oq quisessem fazer!
    Eu tenho 17 anos e me preocupo q o meu louvor suba com o cheiro suave ao pai. E na hr de cantar tds sentimos o poder de Deus se manifestando na igreja eu não preciso abrir meus olhos pq Deus é quem faz a obra na vida de cada um, é ele quem sabe quem precisa de ajuda e quem precisa de consolo…. Então eu continuo cantando com os olhos fechados, e adorando a Deus de coração aberto! Acho q vc também deveria fechar seu olhos e sentir a presença de Deus na hr q o ministério de louvor estiver cantando.

    • Filha acho que vc não entendeu nada do post. Louvor é ministério, é serviço. Ali você está a serviço de Deus para a igreja e não para você. Se quer fazer como você diz, fique no banco e cante do jeito de gosta. Abraços.

  14. Meu Deus o que é isso, olha no que virou !
    se não conseguimos administrar tais assuntos com o minimo de prudencia ,alguma coisa esta erada olha ai os DOIS GRANDE MANDAMENTOS DEIXADO POR CRISTO.
    se tu uma benção.
    temos que refletir sim tais assuntos cada vez mais . Deus abençoe

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*